A crença no Dia do Juízo Final (Os seis pilares da fé)

A crença no Dia do Juízo Final

O Significado da crença no Dia do Juízo Final

É crer que Allah, o Altíssimo, ressucitará as pessoas de seus túmulos e depois as julgará e as recompensará segundo sua obra, até que todas as pessoas do Paraíso ocupem seu lugar e as pessoas do Fogo, o seu. A crença no Dia Final é um dos pilares da fé e não é válida a crença se não se crê neste pilar. Allah, o Altíssimo, disse a este respeito: “A virtude é a de quem crê em Allah e no Dia do Juízo Final” (Baqara, 2: 177).

Por que o Alcorão sobre a crença no Dia do Juízo Final?

O Alcorão afirma a crença no dia do Juízo Final, menciona-o em muitas ocasiões e confirma sua chegada de diferentes formas. Ademais, relacionou a crença neste dia com a fé em Allah, em mais de uma passagem.

A crença no Dia do Juízo Final é uma consequência da fé em Allah e Sua justiça. Por exemplo:

Allah não aceita a opressão e não deixa nenhum opressor sem castigo ou oprimido sem justiça, nem benfeitor sem boa recompensa, dá a cada um o que merece. Nós, na vida terrena, percebemos que quem vive oprimindo, em geral, morre oprimindo sem ser castigado e quem vive oprimido, morre oprimido sem haver justiça. Que significa isso se Allah não aceita opressão? Seu significado é que há outra vida que não é esta, na qual viveremos eternamente e onde se premiará ao benfeitor e se castigará o malfeitor, e cada um receberá o que merecer.

O Islam orienta o servo a se afastar do Fogo fazendo o bem aos demais, ainda que seja, dando-lhe em caridade metade de uma tâmara.

Em que implica a crença no Dia do Juízo Final?

A fé do muçulmano no Dia do Juízo Final é composta por várias coisas, entre elas:

  1. A crença na ressurreição dos mortos: as almas retornarão a seus corpos e as pessoas se levantarão perante o Senhor do universo. E, então, serão reunidos em um lugar, descalços e nus, tal como foram criados pela primeira vez.

A crença na ressurreição está indicada no Alcorão e na sunnah, na razão e na natureza humana (fitrah). Assim, cremos, com convicção, que Allah nos ressuscitará dos sepulcros, retornará nossos espíritos aos nossos corpos e as pessoas se levantarão perante o Senhor do universo.

Allah, o Altíssimo, disse: “(Sabei que) Depois de haver sido criado morrereis e, no Dia do Juízo Final, sereis ressuscitado” (Alcorão, Mu’minun, 23: 15-16).

Todos os livros revelados confirmam esta crença, que implica que Allah concederá a esta criação um outro mundo, onde cada um será recompensado por suas obras. É dito no Alcorão: “Acaso acreditas que vos criamos sem nenhum propósito e que não comparecereis perante Nós?” (Alcorão, Mu’minun, 23: 115).

Provas do Alcorão que afirmam a ressurreição:

  • llah, o Altíssimo, o Onipotente, criou o ser humano do nada e pode criá-lo novamente, não é impossível devolvê-lo a seu estado anterior. Allah disse a este respeito: “Ele é Quem origina a criação e logo a reproduz e isto Lhe é ainda mais

fácil (que criar pela primeira vez). A Ele pertencem os mais sublimes atributos, nos céus e na Terra, Ele é o Todo-Poderoso, Sapiente” (Alcorão, Rum, 30: 27). Também disse, refutando àqueles que negaram que os ossos pudessem voltar ao seu estado depois de terem virado pó: “Dize (Ó Muhammad): dar-lhes-á a vida Aquele que vos criou pela primeira vez, pois Ele tem o conhecimento de tudo” (Alcorão, Yasin, 36: 79).

  • Neste dia a Terra estará erma, vazia, sem nenhuma vegetação, então, a chuva cairá e começará a brotar a vida de cada espécie, porque Allah tem o poder de revivê-la depois da morte. Allah, o Altíssimo, disse: “E enviamos do céu a água bendita, mediante a qual produzimos jardins e cereais para a colheita. E também as frondosas tamareiras, cujos cachos estão carregados de frutos em simetria, como sustento para os servos; e fazemos reviver, com ela, (a água) uma terra árida. Assim será a ressurreição!” (Alcorão, Qaf, 50: 9-11).
  • Toda pessoa que razoa sabe que quem tem poder sobre algo grandioso é porque é poderoso e Allah, o Altíssimo, criou os céus e a Terra e as constelações de uma forma grandiosa e ampla, fazendo disso algo surpreendente. Se criou isto, então, tem poder suficiente para reconstituir os ossos que haviam se transformado em pó. Disse o Altíssimo: “Acaso Quem criou os céus e a Terra não poderá criá-los novamente? Sim! (pois tem poder para isso) E Ele é o Criador, Sapiente” (Alcorão, yasin, 36: 81).
  1. A crença no Juízo e na balança: Allah julgará as suas criaturas segundo suas obras feitas na vida terrena, assim quem haja sido do grupo dos que creram na unicidade de Allah, obedientes a Allah e a Seu Profeta, seu juízo será fácil. Mas, aqueles que foram do grupo dos incrédulos e desobedientes, o juízo será difícil.

As obras serão pesadas em uma grandiosa balança, colocando-se as boas ações em um extremo e as más no outro, assim, quem tiver sua balança inclinada para o lado das boas ações será do povo do Paraíso e quem tiver sua balança inclinada para o outro lado será do povo do Fogo, porque Allah não é injusto com ninguém.

Allah disse: “E instalaremos as balanças da justiça para o Dia da Ressurreição. Nenhuma alma será defraudada no mínimo que seja; mesmo se for do peso de um grão de mostarda, tê-lo-emos em conta. Bastamos Nós por cômputo” (Alcorão, Anbiyah, 21: 47).

  1. O Paraíso e o Inferno: o Paraíso é o lar das delícias eternas que Allah prometeu aos temerosos, obedientes a Allah e Seu Mensageiro. Neste lugar existem todos os tipos deleites, em relação a tudo que se deseja e ama.

Allah disse a respeito disso, incitando Seus servos a praticarem o bem e entrarem no Paraíso: “E apressai-vos a alcançarem o perdão de vosso Senhor e um Paraíso tão grande como os céus e a Terra, reservado para os piedosos” (Alcorão, Al ‘Imran, 3: 133).

Em vez disso, o Fogo é o lar do castigo eterno que Allah prometeu aos incrédulos, que O negaram e O associaram a parceiros, desobedecendo a Seus mensageiros. Neste lugar se encontra todo o tipo de castigo, dor e sofrimento, algo que a mente não pode sequer imaginar.

Allah disse, advertindo Seus servos do Fogo que prometeu aos incrédulos: “Guardai-vos de um fogo que foi preparado para os infiéis e cujo combustível será homens e pedras” (Alcorão, Baqara, 2: 24).

Ó Allah! Pedimos que nos conceda o Paraíso e todas as ações e ditos que a ele nos conduzem e nos refugiamos em Ti do Fogo e todas as ações e ditos que a ele nos conduzam!

  1. O castigo ou a paz no túmulo: cremos que a morte é uma realidade. Allah disse: “Dize: tomará vossas almas o Anjo da Morte, que é encarregado disto e, logo, comparecereis ante vosso Senhor” (Alcorão, Sajdah, 32: 11).

A morte é um fato inevitável. Cemos também cremos que quando alguém morre é porque estava previsto em seu destino, que se esgota neste mundo. Allah, o Altíssimo, disse: “E cada comunidade tem um período pré-determinado, e, quando este período se cumprir não poderão atrasá-lo e nem adiantá-lo, nem sequer por uma hora” (Alcorão, ‘Araaf, 7: 34).

  • Quando alguém morre, a partir deste momento, começa então, sua passagem para a outra vida e seu Dia do Juízo
  • Há muitos relatos do Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) que ratificam o castigo para os incrédulos e desobedientes, assim como mencionam as graças e paz para os crentes. Cremos nele, mas não podemos imaginar como é isto, porque a mente humana não tem poder para conhecer a forma como se realizará, já que são estados do “mundo do oculto”, do qual são parte o Paraíso e Inferno – o que não pertence ao mundo que presenciamos. O poder da razão se baseia em comparação e análises e, assim, pode-se dar um veredito do que se conhece por meio da observação e das leis conhecidas na vida terrena.
  • Os acontecimentos que ocorrem na sepultura também pertencem ao oculto e não podem ser percebidos pelos sentidos, pois, se assim fosse, não seriam parte da fé no “mundo do oculto”. O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse: “Se não corrêssemos o risco de deixar de enterrar uns aos outros, deixaria que escutassem o que eu escuto do tormento da sepultura” (Muslim, 2868 e An-Nasa’i, 2085).

Frutos da crença no Dia do Juízo Final:

  1. A crença no Dia do Juízo Final é a evidência mais marcante da orientação do ser humano, sua correção, seu apego às boas obras, seu temor a Allah e seu afastamento do mal, da debilidade e da aparência. Unem-se a crença no Dia do Juízo e as boas obras em diferentes situações. Allah disse: “Só freqüentam as mesquitas de Allah aqueles que crêem em Allah e no Dia do Juízo Final, observam a oração, pagam o zakat, e não temem ninguém além de Allah. Quiçá, estes se contem entre os encaminhados” (Alcorão, Tawbah, 9: 18) e o versículo: “Aqueles que creem na outra vida, creem n’Ele e nao descuidam da oração prescrita” (Alcorão, An’am, 6: 92).

  2. É um chamado de atenção para os que se distraem com as coisas terrenas e seus deleites, para que tratem de obedecer e se aproximar de Allah através dos atos de obediência, pois a vida é curta, enquanto a outra vida é o lar da eternidade. Quando Allah elogia a Seus mensageiros no Alcorão e cita suas obras, elogia-os porque executaram estas obras com virtude. Allah disse: “Por certo os distinguimos, encomendando-lhes (a transmitir a mensagem) e recordando aos homens a morada da outra vida” (Alcorão, Sad, 38: 46). Quer dizer, as obras virtuosas os fizeram diferenciar-se dos demais, dado que tinham, em mente, sempre presente, a outra vida. Estas lhes facilitaram recordar quando trabalhavam ou enfrentavam situações difíceis. Quando, para alguns muçulmanos, torna-se pesado seguir as ordens de Allah, o Altíssimo, e do Seu Mensageiro, que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele, então, Allah chama a atenção dizendo: “Acaso preferis a vida mundana à outra? Sabei que os prazeres terrenos em comparação com os da outra vida são insignificantes” (Alcorão, Tawbah, 9: 38). Quando o ser humano crê no Dia do Juízo Final, crê firmemente que as graças desta vida não são comparáveis às que haverá na próxima vida. Como também não há comparação para o castigo, porque toda punição de Allah na vida terrena não pode ser equiparada aos sofrimentos da outra vida.

  3. Tranquiliza sabermos que o ser humano receberá o que merece e, se neste mundo não pode desfrutar de alguma graça, não deverá entristecer-se, nem pensar em acabar com sua vida ou cair em depressão, por outro lado, deve se esforçar e crer firmemente que Allah, louvado seja, não se esquece nunca de quem faz o bem, apesar de ter sido prejudicado nesta vida, pois, no Dia do Juízo Final, será devolvido seu direito da melhor forma. Então, como poderia alguém tomar algo de outra pessoa, ao passo que sabe que seu destino será cumprido e não haverá forma de se libertar desse momento tão importante e perigoso? Como pode se entristecer quando sabe que Quem julgará (entre ele e seus opositores) é O Melhor e Mais Justo de todos os juízes, Allah, o Altíssimo?