A justiça (Exemplos de bons modos da vida do Profeta)

Exemplos de bons modos da vida do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele)

 O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) era o mais completo exemplo dos bons modos. .

 

O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) era o melhor e mais ilustre exemplo de bons modos. Por isso, o Alcorão descreve seu comportamento como grandioso e magnânimo. Sua esposa ‘Aisha (que Allah esteja satisfeito com ela) o descreveu acertadamente quando disse: “seu comportamento era o Alcorão”, quer dizer, era o exemplo vivo do Alcorão.

A justiça:

  • O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) era justo e cumpridor dos mandamentos de Allah, ainda que isso significasse ir contra pessoas de sua família na aplicação da lei. Um versículo do Alcorão diz: “Ó crentes! Sê realmente justo quando prestardes testemunho por Allah, ainda que seja contra vós mesmos, vossos pais ou parentes” (Alcorão, Nissa, 4: 135).
  • Certa vez, uns companheiros vieram ao Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) para interceder por uma mulher identificada como ladra, então, o Profeta lhes disse: “Por Quem tem minha alma em Sua mão, que se minha filha Fatima roubasse, ordenaria que sua mão fosse cortada” (Bukhari, 4053 e Muslim, 1688).

    O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) era o mais justo, fosse com sua família ou com seus inimigos.

  • Quando foi revelada a proibição dos juros, o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) admoestou, primeiramente, a seu tio Abbas, antes de qualquer outra pessoa, dizendo: “A primeira usura que anulamos é a da família, a usura de ‘Abbas Bin ‘Abd al-Mutalib já não é válida” (Muslim, 1218).
  • Uma medida social e profética do progresso e ascensão de uma civilização é que os pobres adquiram seus direitos dos ricos sem temor ou dúvidas. O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse: “Uma comunidade que não permite aos fracos usufruirem de seus direitos sem medo não é respeitável” (Ibn Majah, 2426).