A oração de sexta-feira (salatul jumu’ah)

A oração de sexta-feira (salatul jumu’ah)

Allah determinou a salatul jumu’ah no horário do dhuhr, sendo um dos mais grandiosos sinais do Islam e dos mais confirmados atos obrigatórios, onde os muçulmanos se reúnem uma vez na semana para escutar a mensagem e orientação que o imaam lhes traz, então, rezam a salatul jumu’ah.

Virtudes do dia de sexta-feira (jumu’ah):

A sexta-feira é o dia mais grandioso da semana, porque Allah o escolheu dentre todos os dias restantes, dando-lhe privilégio sobre os outros; e isto se deve a várias razões:

  • Allah fez a comunidade de Muhammad especial dentre as outras nações, dando-lhe este dia. Disse o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele): “Allah não deu a sexta-feira àqueles que vieram antes de vós: aos judeus lhes foi dado o sábado e aos cristãos o domingo. Mas, quando Allah nos enviou, presenteou-nos o dia de sexta-feira” (Muslim, 856).
  • Neste dia foi criado Adam, que a paz esteja com ele e neste dia será o Juízo Final, tal como disse o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele): “O melhor dia em que pode sair o sol é a sexta-feira, porque nele foi criado Adam, nele entrou e saiu do Paraíso e não virá a Hora senão em uma sexta-feira” (Muslim, 856).

Para quem é obrigatório atender à jumu’ah?

É obrigatório a salatul jumu’ah para aqueles que tenham as seguintes características:

  1. Ser homem: pois não é obrigatório às mulheres.
  2. Ser responsável legal (adulto ou adolescente): não é obrigatório para o demente ou para aquele que não atingiu a puberdade.
  3. Residente: não é obrigatório ao viajante, nem para aquele que vive no campo (afastado de uma mesquita).
  4. Saudável: não é obrigatório ao doente que não pode atender à oração da sexta-feira

Formalidades e regras da salatul jumu’ah:

  1. É recomendável que o muçulmano realize o ghusl antes de sair para a salatul jumu’ah, que se dirija à mesquita mais cedo (antes de começar o sermão, khutbah) e que vista suas melhores roupas.
  2. Os muçulmanos se reúnem na mesquita onde são dirigidos pelo imaam, que se dirige aos presentes do púlpito e pronuncia dois sermões (khutbah), fazendo uma pequena pausa entre eles – sentando-se neste momento. O imaam recorda as pessoas do temor a Allah e orienta-as por meio de exortações e versículos.
  3. É obrigatório para o que reza que escute o sermão, sendo proibido que fale ou se distraia de seu conteúdo, o que pode acontecer quando a pessoa brinca com o tapete, um pedrinha ou seus próprios dedos.
  4. O imaam desce do púlpito (minbar) e estabelece a salah, a qual se compõe de duas ra’kah, recitando o Alcorão em voz alta.
  5. A salatul jumu’ah se faz em grupo. Quem não possa realizá-la ou não puder atendê-la por algum motivo deverá realizar a salatul dhuhr.
  6. Quem se atrasar para a oração da jumu’ah e não conseguir realizar, junto com o imaam, o último ra’kah e só pegar parte dele, então deve completar sua salah como o dhuhr (fazendo quatro ra’kah).
  7. Todo aquele que não está obrigado a fazer o jumu’ah, como por exemplo, a mulher ou o viajante, se a realizam em congregação é válido e, então, não necessitam rezar a salatul dhuhr.

Quem está desculpado a não atender à jumu’ah?

A legislação islâmica afirmou a obrigatoriedade de se atender à salatul jumu’ah para quem possa fazê-lo, advertindo que a vida mundana não deve distraí-lo deste dever. Allah, o Altíssimo, disse: “Ó crentes! Quando se realiza o chamado da oração do dia de sexta-feira atendais à recordação de Allah e abandonais o comércio, pois isto é o melhor para vós, se soubessem!” (Alcorão, Jumu’ah, 62: 9).

Também advertiu que será lacrado o coração daquele que abandona a jumu’ah sem nenhuma desculpa válida. O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse: “Quem deixar três jumu’ah de propósito, sem nenhuma desculpa, Allah lhe fechará o coração” (Abu Dawud, 1052 e Ahmad, 15498). O significado de que “Allah fechará seu coração” é que o fecha e endurece como o coração dos hipócritas e desobedientes.

A desculpa permitida para não assistir um jumu’ah é tudo o que produz dificuldades extremas, que não sejam normais ou o temor pela segurança, sua vida ou saúde.

A jornada de trabalho é uma desculpa para não atender ao jumu’ah?

Basicamente, o trabalho e as ocupações não são desculpas para que o muçulmano deixe de ir à salatul jumu’ah, já que Allah, o Altíssimo, ordenou que deixemos nossos trabalhos e nos dediquemos a fazer a oração. Allah disse: “Ó crentes! Quando se realiza o chamado da oração do dia de sexta-feira atendais à recordação de Allah e abandonais o comércio, pois isto é melhor para vós, se soubessem!” (Alcorão, Jumu’ah, 62: 9). Como consequência, o muçulmano deve tentar escolher um trabalho ou um emprego que o permita realizar suas práticas religiosas, mesmo se, no plano material, isso lhe for menos remunerado que outros.

Allah disse: “Sabei que Allah sempre mostrará uma saída àquele que O tema e o sustentará de onde menos se espera. E quem se encomende a Allah, saiba que Ele lhe será suficiente” (Alcorão, Talaaq, 65: 2,3).

Quando um trabalho se torna uma desculpa para não assistir o jumu’ah?

Não se considera trabalho fixo e contínuo como uma desculpa para não atender à oração da sexta-feira e, é obrigatória a presença do crente, exceto em dois casos:

  1. Que seu trabalho traga um grande benefício e não possa ser realizada senão pela sua permanência em seu posto. Então, neste caso, pode-se faltar à jumu’ah, pois sem o trabalho haveria uma perda grande e ninguém poderia substituí-lo.
Exemplos:
  • O médico que está em serviço de urgências.
  • O vigilante e o policial que cuidam de propriedades ou bens, protegendo-os de roubos ou ações criminais
  • Quem trabalha em uma grande indústria e supervisiona uma máquina que requeira um conhecimento técnico específico e não pode se afastar um momento sequer.
  1. Se o trabalho ao qual se dedica é o único meio de sua subsistência, pois não há ninguém que o ajude a prover as necessidades básicas de sua família. Nesta situação pode-se permanecer em seu trabalho e não atender à salatul jumu’ah, até que encontre outro trabalho para substituí-lo como fonte de renda para seu sustento.