Algumas normas éticas do Islam durante a guerra

Algumas normas éticas do Islam durante a guerra:

  1. Ordena-se ser justo e equitativo com os inimigos e proíbe-se se injusto ou abusivo: O Magnânimo disse: “E que o rancor não os conduza a agir injustamente. Sedes justos, porque desta forma estareis mais próximos da piedade” (Alcorão, Ma’idah, 5: 8). Assim, proíbe-se tratar mal os inimigos, seja com palavras ou com ações, ainda que os deteste.
  2. Proíbe-se não cumprir os acordos ou traí-los:O não cumprimento dos acordos firmados com os inimigos e a traição são ilícitos e indignos da conduta de um muçulmano. Allah, o Altíssimo, disse: “Por certo que Allah não ama os traidores” (Anfaal, 8: 58).
  3. Proíbe-se a tortura e a mutilação dos mortos:
    Mutilar ou maltratar os corpos dos falecidos está proibido. O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse: “E não os mutileis” (Muslim, 1731).
  4. Proíbe-se atacar ou matar os civis que não participam de uma guerra, assim como corromper a Terra e o meio ambiente :
    Abu Bakr as-Siddiq, primeiro califa dos muçulmanos e o melhor companheiro do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) ordenou ao comandante de seu exército enviado à Síria, Usama Bin Zaid: “… não matais as crianças, nem os anciãos, nem as mulheres; não arrancais as palmeiras, nem as queimais, não cortais nenhuma árvore frutífera, nem sacrificem ovelhas, vacas ou camelos, exceto para alimentar; na jornada você encontrará pessoas que se dedicam a adorar a Deus em seus templos, deixá-los como estão “(Ibn Asakir 2/50).